domingo, 2 de novembro de 2008

13 comentários:

André Dias disse...

pergunto-me se colocar aqui este trailer é uma homenagem a um filme de que gostas ou antes um gesto irónico, dado que este trailer mais parece o de uma comédia romântica...

bruno andrade disse...

Eu gosto de The Shining.

Sempre achei a melhor comédia de Kubrick.

José Oliveira disse...

tive um professor de montagem que me mostrou essa merda como exemplo do que a montagem é capaz. sentiu-se orgulhoso e satisfeito por constatar que não estava só, nas suas palhaçadas. gostava de saber quem foi o "génio"...

Anônimo disse...

Curioso desacuerdo. Kubrick, como Tarkovskií, es un cineasta en el que no pienso nunca, por el que no siento afecto ni afinidad, que a veces me irrita o aburre pero más a menudo admiro (quizá en frío). The Shining me parece casi (salvo que se desborda un poco, casi descarrila) magnífica, una de las mejores que hizo. Y, paradójicamente, siempre la asocio con "Sleuth" de Mankiewicz y sobre todo, aún más sorprendentemente, con "Murder Is My Beat", un portentoso Ulmer nevado...
Miguel Marías

Anônimo disse...

E nesse aí tem nada?

José Oliveira disse...

"Shining" é um dos filmes mais controversos de Stanley Kubrick, provocando adesões entusiásticas e rejeições peremptórias. Se o autor de "De Olhos Bem Fechados" sempre olhou de cima os géneros clássicos, esta incursão pelo terror é um dos mais gelados e cerebrais filmes do autor. Estudo implacável sobre a paranóia e o desprezo, o cineasta fechou uma família - pai frustrado, mãe-galinha e filho "medium" num gigantesco e deserto hotel, isolado pelas tempestades de inverno. Fascinante e doentio, frio e impositivo como o mármore, é um filme que nos rejeita, deixando-nos isolados perante a nossa impotência de espectadores de cinema. Com uma "mise-en-scène" de uma precisão assustadoramente totalitária, foi para este filme que pela primeira vez se utilizou a "steady cam", uma câmara com suspensão que permite ser manobrada presa ao operador sem perder a estabilidade nas horizontais. Foi através desse processo que Kubrick obteve os fabulosos "travellings" que seguem o triciclo do rapazinho nas suas incursões pelos intermináveis corredores do hotel - uma das muitas imagens que o grande cineasta legou ao imaginário colectivo do século XX.

Cinemateca Portuguesa

Tiago disse...

Acho que a intenção aqui foi simplesmente compartilhar talvez o único trailer que captou o espírito do filme.

Ou seja, todos sabemos que é um filme vendido como se fosse de terror (seja o tipo de terror que for). No entanto, sabemos ainda melhor que há um tom, por vezes sutil, de humor negro e, outras tantas vezes, de comédia pastelão retumbante em todos os filmes dele, e em O Iluminado particularmente.

Portanto, não creio que se trate do melhor exemplo de uma aula de montagem - até porque é apenas um trailer, e não o filme em si - mas sim de uma simples brincadeira muito bem feita. Com uma ironia leve, aqui vemos não a publicidade oficial do filme que nos foi vendido, mas sim do filme que nós sempre compramos e adoramos: mais uma grande palhaçada do Kubrick.

bruno andrade disse...

144 minutos de Joker Nicholson correndo atrás da Olivia Palito com um taco de beisebol num hotel mal-assombrado.

Só pode ser uma comédia, e das boas. O Kubrick disse que dirigiu o garotinho como se este estivesse atuando em uma comédia - provavelmente para não traumatizá-lo -, mas acho que ele enganou foi o resto da equipe que achavam que se tratava de um filme de horror sério (exceção feita ao sr. Nicholson, que já está adiantando sua interpretação do Joker em alguns anos).

"Mr. Grady... Weren't you once the caretaker here?"

"Hi Lloyd!"

"Wendy... I think you hurt me real bad... I'm dizzy... I need a doctor!"

"Mr. Grady... you were the caretaker here."

Só linhas clássicas.

Pro anônimo: leia o texto do Jean-Pierre Oudart sobre o filme.

José Oliveira disse...

trailer bom é o do novo filme do grande Cruise:

http://www.awardsdaily.com/?p=3697

eheh

bruno andrade disse...

Agora, fatos são fatos: um professor de montagem exibir essa brincadeira numa aula, não apenas é ofensivo como caso de ser mandado pro olho da rua.

Evandro Duarte disse...

Eu acho o filme assustador, sendo comédia ou não.

bruno andrade disse...

Eu costumava associar o filme a Marienbad, mas hoje o vejo mais próximo de algo como Dillinger è morto (apesar de Kubrick não ser nenhum Ferreri). No mais, concordo com o parentesco com Tarkovski, e o efeito de ambos em mim também é semelhante (embora Tarkovski me impressione mais).

bruno andrade disse...

Cara... eu nem sei mais se é assustador, sinceramente. O que eu sei é que é o filme ideal para se assistir num sábado à noite com umas cervejas ao lado, um amigo idiota (de preferência um pouco menos ou mais idiota que você, mas isso vai depender da cerveja), de preferência imediatamente após um episódio de Simpsons.

Arquivo do blog