domingo, 19 de setembro de 2010

Bizâncio, século VI. A população se revolta contra o imperador Justiniano, e só é contida com a intervenção enérgica da imperatriz Teodora, uma ex-cortesã, e do general Belisário. Eis a situação histórica real. No filme é meio diferente. Por fofoca de um ministro ambicioso, Teodora é culpada pela insurreição e condena......da à morte pelo próprio marido. Mas Belisário chega em tempo e os verdadeiros culpados são desmascarados. Se a ficção e a realidade não se ajustam, fiquemos com a primeira, no cinema pelo menos. Veja os minutos finais de "Teodora", 1954, do Riccardo Freda, um expert do cinema espetáculo. Gianna Maria Canale é Teodora, George Marchal é Justiniano. Repare no ritmo eletrizante da montagem e da trilha sonora, na maestria da movimentação das multidões. É o cinema popular de aventuras no seu apogeu, gênero em que os italianos foram mestres.

João Carlos Rodrigues

Nenhum comentário:

Arquivo do blog