terça-feira, 7 de dezembro de 2010

A grande arte não é aquela das linhas rompidas e das digressões. É aquela que transforma as linhas retas em outras linhas retas.

Um comentário:

Felipe disse...

Esse texto do Ranciére é excelente.

Arquivo do blog