domingo, 26 de dezembro de 2010

Neófito.

O que espanta é a superficialidade, nem digo da relação entre um filme e outro - que é inexistente, forçada e abstrata -, mas do pensamento do Assayas: por que diabos o que Fincher faz em Zodíaco seria revolucionário?

É de se imaginar que o sujeito não viu Playtime, Halloween (ou praticamente qualquer Carpenter), Fort Apache, They Died With Their Boots On, The Naked and the Dead, Lang, Fuller, Losey, Ray, Tourneur, vários Chabrol, Rolling Thunder, Meia-Noite no Jardim do Bem e do Mal, So Dark the Night, Madigan, The Killer is Loose etc.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog