quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Saint Zelig, pray for us

2 comentários:

Emanuel disse...

Já viu Carlos?

Se ainda não, nem se dê o trabalho. O Assayas tá mais afetado do que nunca.

bruno andrade disse...

Vi parte do filme em circunstâncias inusitadas, num desses 'cineclubes' de universidade que exibem rips de filmes. Meu interesse se restringia às coxas de uma bela estudante. Não consegui agüentar quarenta minutos do filme: achei brutalmente estúpido, disléxico e feio o que pude assistir, acadêmico ao extremo como Assayas costuma ser (embora desta vez a matriz seja menos Tavernier e mais Yves Boisset, Gillo Pontecorvo e as teleséries policiais de luxo da TF1 e da RAI). Ao fim de 40 minutos não suportava mais a falta de balanço e a inexpressividade da coisa toda (direção de atores inexistente, trabalho inexistente de câmera, fotografia inexistente, e no entanto dá-lhe direção de arte tapa-buraco de criação de clima), e acabei por dar adeus ao filme e às belas coxas.

Quem se interessa por TV bem feita com mais de cinco horas de duração deve baixar Sandokan do Sergio Sollima, ou Berlin Alexanderplatz.

Arquivo do blog