segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Ninguém - repito: ninguém - retratou com maior discernimento que Claude Chabrol o fascismo polido que nas últimas duas décadas se assentou no mundo.

Repito: ninguém.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog