segunda-feira, 11 de abril de 2011

Muita confusão turva a água neste campo minado de todos os tipos de fraude. A tradição clássica não é a concretização imóvel da perfeição. Pode-se ser ao mesmo tempo inovador e continuador. Estou convencido de que só se pode inventar algo vivo seguindo a tradição, que não corresponde a um passado entravado nem a uma figura defunta, mas a um impulso vital, uma realidade concreta que se torna uma espécie de ritmo interior. A noção de modernidade hoje em dia é demasiadamente ressaltada a propósito de não importa o quê para que não se desconfie dela. Não é necessário ser muito esperto para adivinhar que ela abrange as piores torpezas, e que ela reina sobre um mundo irrisório.

Jean-Claude Guiguet, Lueurs - entretien avec Jean-Claude Guiguet, Lueur secrète, carnets de notes d’un cinéaste, Aléas, Lyon, 1992.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog