sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Em meio a todo esse bafafá de Festival do Rio eu não vi ninguém - repito: ninguém - mencionar a exibição, pela primeira vez aqui no Brasil se for em película, do Il fantasma dell'opera de vocês-sabem-quem.

(minto: Sergio me avisou por MSN e Jr. me mandou um e-mail com a programação do tal Musas Italianas, sublinhando a presença do e da Argento)

Aí me pego pensando nas possíveis razões para uma omissão dessas...

Talvez a velha ladainha de que "o filme é uma merda e o pior da carreira do Argento" (um sinfônico "Não!" para as duas assertivas, mas enfim, gosto "não" blablablá).

Mas não, não é nem pelo que o filme é ou deixa de ser, e sim pelo que ele não é: um filme de 2007 ou 08.

E aí você se dá conta de que esses festivais servem é pra porra nenhuma.

11 comentários:

João Gabriel disse...

tenho a mesma impressão! Não só pelo Argento, mas pelo desdém das retrospectivas.

Quando comentei que não perderia mesmo o Argento, me responderam: "é, deve ser divertido o filme", com um tom de quem preferia pegar a sessão de um filme qualquer da "Expectativa" ou da "Panorama"...

José Oliveira disse...

grande, grande filme; não só a versão definitiva do conto, com um daqueles "tour de forces" visuais que já não se usam. um prodigio.

Marcílio Dutra disse...

"Quando o sol da cultura está no ponto mais baixo, até anões lançam sombras grandes."
Karl Kraus

bruno andrade disse...

Precisamente, Marcílio - não à toa encontramos o inevitável Desplechin na programação.

Marcílio Dutra disse...

Pois é Bruno, sem contar como tudo nestas mostras deve soar ridicularmente solene...

bruno andrade disse...

Deixe tudo nas mãos dos curadores.

r.cavalo disse...

Acho que foi o primeiro que eu vi do Argento, há um tempo atrás no Telecine. Não tenho muitas recordações, mas não me saiu ainda hoje da cabeça a lubricidade incestuosa de Argento filmando a filha numa cena erótica (de tal teor que a mim não foi superado nem pela cena do estupro em Sindrome), e também lembro de pés de bailarinas, talvez houvesse algo de Degas, já que a pintura é sempre fortíssima influência em sua obra, mas não me lembro mesmo.
Não resta dúvidas que assistir em película seria uma experiência e tanto.

bbrown disse...

Alguém tem o 'The Impossible, Seriously' da Brenez gravado em disco? Tava à procura, e parece que desapareceu da web...

bruno andrade disse...

Não tenho.

marcelo disse...

eu tenho, fala teu e-mail.

bbrown disse...

Ainda agora sugeriram que procurasse no archive.org e de facto está lá, apesar de o Google não o encontrar:

http://web.archive.org/web/20020615213801/www.sensesofcinema.com/contents/00/6/impossible.html

De qualquer forma, agradeço a disponibilidade.

Arquivo do blog