domingo, 25 de janeiro de 2009

Revendo Ride in the Whirlwind para lembrar porque vez ou outra vale a pena insistir com esse negócio de ver filmes, e de vez em quando até mesmo escrever sobre alguns.

Incrível como quando comparada a um filme como esse, feito com os recursos mais rudimentares e portanto essenciais, a produção contemporânea parece miserável, sem imaginação, derivativa, primária e - por que não dizer? - inexistente.

7 comentários:

bruno andrade disse...

O filme foi lançado por vários selos, com vários títulos (A Vingança de um Pistoleiro, Cavalgada no Vento, A Marca da Vingança). Desses de banca o melhor é incontestavelmente o da USA Filmes: além de responder às exigências mínimas (letterbox, boa masterização) traz o comentário em áudio com Hellman, Millie Perkins e Dennis Bartok (programador da cinemateca americana) e o trailerzinho que a VCI fez na ocasião do lançamento dos westerns de Hellman em DVD.

RL Fernandes disse...

Eu tenho o toscão da london.

Tiago disse...

Seres inexistentes!

Evandro Duarte disse...

E eu assisti numa imagem tosca e dublada como último filme (dia 31.12) de 2007. Não guardei muitas coisa do filme (e nem sei se tem o que guardar). Talvez eu reveja em alguns anos.

bruno andrade disse...

Também não sei se tem o que guardar. Ainda assim permanece um dos filmes mais importantes dos últimos 40 anos.

Evandro Duarte disse...

Li na Contracampo que é um filme sobre o vento.

bruno andrade disse...

Há coisas piores pra se escrever sobre um filme.

Mas essa aí do vento é muito ruim.

Arquivo do blog