domingo, 31 de maio de 2009



"Pagnol cineasta foi durante muito tempo criticado, e até mesmo enterrado, em prol do seu desprezo aparente do cinema e de sua concepção da mise en scène como uma conservação de suas próprias peças. Ele poderia replicar, e até mesmo não se privou de fazê-lo, que ao mesmo tempo em que imprimia suas obras sobre a película ele inovava no domínio do plano-seqüência, do som direto e dos exteriores. Terá ele sido, tecnicamente falando, um reacionário ou um inovador? A questão, como se vê, é praticamente insolúvel e não apresenta qualquer interesse. O que terá decalcado de uma outra arte, o que terá inventado, ele o fez como sem pensar, simplesmente seguindo seu instinto na procura da melhor encarnação possível do mundo e dos personagens que atraíam seu coração. Vendo seus filmes hoje percebe-se, e isso não é mais contestado por ninguém, que terá sido em suma um tipo de clássico, para quem a escritura do roteiro e a criação dos personagens importavam mais do que tudo, de acordo nisso, e talvez sem sabê-lo, com a maioria dos grandes cineastas que sempre afirmaram (incluindo aqueles que não escreviam uma linha de seus roteiros) que o elemento mais importante de um filme é a história, tanto como ponto de partida como resultado real da mise en scène."

Jacques Lourcelles, Journal de 1966, Présence du Cinéma n° 24-25, outono 1967

2 comentários:

Anônimo disse...

Uno de los mejores y menos conocidos Pagnol.
Miguel Marías
Curioso, la palabra clave, si se añade una a al final, es uno de los objetivos de los Merrill's Marauders ¿o era Mitkyna?

bruno andrade disse...

Em Merrill's era Mitkyna.

Arquivo do blog