sexta-feira, 2 de outubro de 2009

São filmes de quê? de amor, de amor, simplesmente filmes de amor. Amor que é tudo o que falta hoje em dia, não só no cinema e na arte.

Um comentário:

bruno andrade disse...

Eu diria que por uma simples razão: as pessoas hoje têm essa necessidade, alguns diriam que patológica mas para mim se trata de pura frivolidade, de serem amadas, sempre amadas, irrestritamente amadas, independente do que produzem e do que fazem, mesmo que o que façam seja essa sopa insossa que servem nos festivais de cinema.

Rossellini, que nisso é o pai de todos, amou sem jamais pedir nada de volta - adesão, idolatria, insensatez, nada. É a lição franciscana do seu cinema.

Arquivo do blog