terça-feira, 4 de maio de 2010

2 comentários:

Marlon disse...

NICOLAS CAGE.

Esse lado excêntrico do Cage me parece perfeito para encenar este filme. É uma coisa completamente diferente, mas a interação entre cineasta-ator impressiona, e eu não diria que é muito longe do que ele fazia com Bruno S., Kinski; embora aqui com outros dispositivos para alcançar isso, imagino. Enfim, controle total da face, a serenidade do Cage nos momentos de humor mais LOUCO remetem a ANNA FARIS (me lembrei do texto da Rouge sobre ela)


De certa forma, eu acho que o filme escapa um pouco à forma narrativa que ele mesmo propõe (não tem nada a ver com ser narrativo em si!). Já faz tempo que eu vi, mas eu tive essa sensação mais no desfecho do filme. Lembro de uns planos de carros no porto, mas nada mais.. O policial lá é mesmo é meio Herzog: um respeitado pelos resultados das investigações, outro pela carreira com filmes "relevantes", mas nem por isso todos deixam de considerar ele(s) pessoa(s) meio... perigosas & loucas.

Felipe disse...

Melhor filme do ano, disparado.

Arquivo do blog