domingo, 4 de setembro de 2011

Tem alguma coisa menos Robert Capa que o cinema de hoje em dia?

4 comentários:

Miguel Marías disse...

Pero cuánto había en Fuller, Ford, Walsh, Dwan, Schoendoerffer, Coutard, Malraux(¿o Max Aub?), Heisler, de Toth, y todavía en The Deer Hunter.

bruno andrade disse...

Vários Rossellini, além de outros filmes que registram essa "luta do homem pela sua sobrevivência".

Numa fórmula bem simples, simplista mesmo, dá para dizer que o cinema contemporâneo, de forma quase esmagadora, está mais para Jeff Wall que para Capa (caso do mumblecore e de todas as diluições e derivados). Sempre o mesmo playground fotográfico das mesmas faltas de imaginação, visão e generosidade, os famosos "estímulos livres" como diz um amigo; mesma ausência de ancoragem em qualquer "relação material com o mundo", como disse o mesmo amigo. Imagens de capas de CDs elogiados pela Pitchfork, em suma.

Curioso para ver o filme que Mann irá dedicar à vida de Capa (embora seja provavelmente David Seymour o fotógrafo que mais se assemelha aos heróis de Mann).

Miguel Marías disse...

Cierto, Rossellini, De Santis, Anthony Mann, Ford, Lang, De Mille también... No veo mucha afinidad entre el estilo visual de Michael Mann y el de Capa. Más lógico hubiera sido haber rescatado a Cimino.

bruno andrade disse...

Verdadeiro filme dos sonhos.

Arquivo do blog