domingo, 24 de junho de 2012

se a crítica servisse para algo, seria para apontar, meramente, a existência desses esforços e sua essencialidade.

Um comentário:

bruno andrade disse...

Frase que, por sinal, inesperada mas não tão arbitrariamente, constitui uma resposta perfeita ao título do editorial-programa do Delorme: não se trata de programar - não é possível que uma mentalidade curadora e ecunêmica esteja a tal ponto estratificada nas entranhas do pensamento crítico do cinema, pelo amor de Deus... -, mas de escolher - que é o que os Cahiers fizeram desde sempre, ou pelo menos enquanto foram a melhor publicação de cinema do e, mais importante até, para o cinema. A diferença entre uma coisa e outra reflete na realidade uma questão ainda mais profunda, mais delicada e importante, que é a diferença entre o falso (aquele que encontra o tempo todo) e o verdadeiro (aquele que busca o tempo todo) ecletismo.

Arquivo do blog