segunda-feira, 17 de março de 2014

Um comentário:

bruno andrade disse...

Uma mesma linha de força que faz com que classicismo e modernidade convirjam, sob a forma de síntese completamente bem-sucedida, numa mesma unidade, uma se metamorfoseando ininterruptamente na outra, como acontece freqüentemente neste filme e em vários outros do Preminger.

Ou: da concisão.

Arquivo do blog